sexta-feira, 11 de maio de 2012

Invisível


Criaste um novo ciclo onde eu não posso mais entrar. O ciclo da tua vida.
Construíste muralhas ao teu redor.
Abrigaste-te no teu novo castelo e impuseste-me o afastamento.

Fizeste um novo retrato.
Não desenhaste o meu rosto.
Não fizeste um único traço.
Não deixaste vestígios.
Tornaste-me invisível.

Sou vento que te sopra e tu não sentes.
Sou voz que te sussurra ao ouvido e tu não ouves.
Sou uma carta pendente. És destinatário inexistente.

Acabou a batalha. É o fim do jogo. Tu venceste porque seguiste em frente. Eu perdi porque ainda não te esqueci.

Sem comentários:

Enviar um comentário