sábado, 24 de dezembro de 2011

Crazy thing called love



Disseram-me que o amor não se procura, encontra-se.

Olha para mim. Ainda estou aqui.
O que vês?
Quem sou eu para ti?

Se me perguntares quem és para mim, permanecerei em silêncio enquanto sorrirei por dentro. Direi-te depois que és a razão pela qual carrego às costas uma saudade que teima em acabar, o motivo pelo qual o meu coração palpita aceleradamente quando os meus olhos te vêem passar. Gosto de ti. Gosto quando estás por perto. Gosto quando dás um pouco mais de ti. Não gosto quando te vais embora e deixas somente o silêncio do teu coração.

Já passou tanto tempo e ainda estás tão presente... É tarde demais?

E se um dia eu ganhar coragem, sair de casa a meio da noite, atirar uma pedra à tua janela e chamar pelo teu nome? Sairias à rua e darias um passeio comigo? Darias-me a mão? E um beijo?